Fatos reais

violc3aancia-contra-a-mulher

História baseada em fatos reais.

Era um finzinho de tarde normal, como todos os outros.

A família ria  das bobagens da televisão. A criança fazia de tudo para que alguém lhe desse atenção.

Até que de repente, ouve-se gritos, a família assombrada corre para frente de sua casa e assiste de camarote o desespero da moça que apanha de um rapaz. Ele a joga no chão, a humilha, puxa seu cabelo, a agride de todas as formas possíveis.

Na família, embora estejam assustados ninguém se move. Um dos homens pede para que levem a criança para dentro, pode ser perigoso o cara lá pode estar armado. Uma das mulheres chora: “Ele vai matar ela, ai meu Deus!”

De repente alguém decide tomar atitude e abre o portão de sua casa para ajudar a moça. Essa atitude mobiliza todo o quarteirão, a correria aumenta, desta vez em prol da garota.

Os vizinhos se unem e vão para cima do casal. O rapaz xinga, diz que as coisas não irão ficar assim, que ele voltará e matará a moça. Ela chora, humilhada, suja. O agressor foge e a vizinhança faz um círculo em volta da menina. Uns com curiosidade, outros por pena.

Na esquina junta-se outra roda, de especuladores, que querem saber a todo custo o motivo da briga. Um deles responde: Ela traiu ele.

Foi o suficiente para que boa parte das pessoas achassem justa a agressão que a moça levou.

O que ninguém sabe, é que ele a humilhava todos os dias. Chegava bêbado em casa, batia nela, a ofendia verbalmente. E quando ela dizia que iria sair de casa , ele ameaçava matá-la. Ela denunciou ele para a polícia, que fez o B.O e só. Ele foi intimado, pediu perdão pra moça, que resolveu dar uma segunda chance ao pai dos seus filhos.

E foi tudo bom por uns dias, até que o agressor voltou. Ela não suportou, disse que iria embora e levaria os filhos, dessa vez o enfrentou e disse que só não sairia dali se ele a matasse. Ele a acusou de traição, de vagabunda, de puta. Ela foi para o quarto juntar suas coisas , ele foi atrás e começou a empurrá-la. Por um descuido dele, ela consegue sair da casa correndo e ele vai atrás até alcançá-la e começa a bater nela na rua, para quem quisesse assistir.

A moça, coitada, nem sabia que aquele era o “Dia Internacional da Não violência contra a Mulher” e ela era mais uma das vítimas dessa triste realidade. Que bem poderia fazer só parte desta história.

Anúncios

Um comentário sobre “Fatos reais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s