Yes, I’m a dreamer

image3

A infância inteira ouvindo : “Hey, acorda!”; “Presta atenção!”; “Essa menina vive no mundo da lua…”

Os adultos nunca me compreenderam. Eu nunca estive “no mundo da lua”, eu sempre estive no meu mundo, naquele mundo que sonhei pra mim. Esse mundo era muito distante, em um lugar chamado futuro. E como ele parecia incrível!

Sempre fui sonhadora, passava horas do meu dia imaginando tudo aquilo que gostaria de conquistar. Tinha um caderno com calendários que iam até 2013 (detalhe: era 2003), com todos os meus planos, minhas economias, mensagens inspiradoras e colagens de coisas que eu gostaria de ter e fazer.

O tempo foi passando e as coisas não foram exatamente como o planejado. E eu que sempre fui controladora me senti um fracasso. Eram sonhos grandes demais para mim.

Aos poucos , aqueles velhos cadernos pararam de fazer sentido…

Chegou 2013 e as coisas tinham fugido totalmente do controle. Eu era uma adulta agora, mas adulta mesmo, de verdade. Eu tinha um emprego fixo, uma casa, um carro e um filho para sustentar. Por outro lado, tinha um monte de coisa pela metade: uma faculdade inconclusa, problemas no relacionamento…  E, quando a gente cresce e percebe o tanto de dificuldades que vão surgindo, os sonhos vão se distanciando cada vez mais.  O irônico que eu sempre pensei no futuro, e sempre quis conquistar muitas coisas da “vida adulta”, mas eu nunca tive vontade de crescer. Não à toa um dos meus desenhos favoritos sempre foi Peter Pan.

De repente, me dei conta que não conseguia mais decifrar os desenhos das nuvens, percebi que não conseguia mais lembrar dos meus sonhos. Eu fui me anulando, me depreciando. Eu mal me olhava no espelho e quando me deparava com minha imagem, ela estava distorcida. Aquela não era eu. E não era quem eu queria ser.

As pessoas destruíram os meus sonhos, acabaram com a minha ingenuidade, me fizeram perder a minha melhor qualidade: a de sempre ter fé e esperança.

Eu levei anos para criar um abrigo, para sentir-me segura. E eles vieram sem piedade alguma e destruíram tudo. E eu fiquei ao relento. Enfraqueci. Minha alma doía. Enquanto eles riam da minha cara.

E eu também tive minha parcela de culpa. Porque eu não estava atenta o suficiente. Eu permiti que eles se aproximassem pouco a pouco, que estudassem meu jeito, deixei brecha para descobrirem minhas fraquezas, enquanto eu tentava demonstrar quão forte eu era.

Mas um dia, depois de derramar incontáveis lágrimas. Eu decidi que era hora de reagir. Eu não podia deixar que eles me corrompessem. Eu não queria ser como os demais adultos. Eu queria ser uma adulta, que tivesse os olhos brilhantes como o de uma criança quando faz uma descoberta incrível em seu quintal.

Eu tinha que reagir e foi isso que eu fiz. Em vez de evitar e fugir dos meus problemas, eu os enfrentei. Encarei as pessoas que tinham me feito mal, frequentei lugares que me lembravam coisas ruins. Sofri com veemência, chorei, me destruí. E depois de cair a última lágrima de tudo que estava me incomodando, senti que havia crescido. E como dói crescer. Mas algo tinha mudado: agora eu me sentia pronta.

Então, a mudança começou a acontecer lá dentro e aos poucos passou a refletir também do lado de fora, foi um longo processo, porém vitorioso. Aos poucos pude ver a luz que havia dentro de mim reacender. Eu tinha muitos sonhos de antes, mas já não era mais a mesma. Descobri que eu posso crescer e continuar cultivando alguns sonhos e sentimentos de quando eu era pequena. É até bom, para deixar a vida mais leve.

E eu sei que lá nos meus sonhos fica a minha Terra do Nunca e lá eu posso ser criança quando eu quiser. É só você reparar nos meus olhos brilhantes, que verá que dentro dessa armadura de “gente grande” existe uma criança, que as vezes se permite rir para a lua e brinca tentando adivinhar os desenhos nas nuvens.

Anúncios

52 weeks (of Joy)- Semana 1

Eu já disse que amo fotografia e sempre quis participar de algum projeto fotográfico. Comecei mês passado um do Projeto Vai um café (clique aqui para ver as fotos). Pretendo continuar participando dele, mas agora comecei também o projeto 52 weeks, que consiste em tirar uma foto por semana durante um ano. Vou compartilhar no Flickr, Instagram e aqui no blog.
Essa foto é a da semana da passada:

25 anos 🎂 {1/52 Weeks}

A post shared by Joice D'Aviz (@joydaviz) on

Beijos , espero que tenham gostado. ❤

Playlist de Aniversário {25 anos}

Como vocês podem perceber, acabei ficando empolgada com meu aniversário hahaha Então aqui vai mais um post sobre isso haahah .

Criei uma playlist com 25 músicas que fizeram parte dos meus 25 anos. Músicas que me deixaram feliz, triste, que me ajudaram a superar situações difíceis, todas tem uma importância muito especial para mim. Algumas são bobas, mas fizeram parte da trilha sonora da minha vida. Espero que gostem! ❤

P.S.: Muito obrigada, pelas felicitações. Vocês tornaram o meu dia ainda mais especial. *-*

25 episódios em 25 anos ♥

25 coisas fatos desses 25 anos:

tumblr_static_6v56621c7lgcs4ko0ooo0kc4g

  1. Nasci na hora do almoço (acho que é por isso que minha fome não acaba nunca) haha;
  2. Quase morri quando era bebê;
  3. Eu amo o verão e ficava muito triste, porque no meu aniversário sempre fazia frio (as coisas começaram a mudar depois dos 11 anos);
  4. Eu comecei a tomar refrigerante com 10 anos de idade (antes disso eu detestava);
  5. Sempre fui péssima em matemática;
  6. Quando eu era criança, todos elogiavam meus textos e eu tinha poucos erros gramaticais (tenho mais hoje rs);
  7. Eu era uma criança muito tímida;
  8. Adoro fazer e comer doces ;
  9.  Já fui “roqueira”(na verdade, eu era mais emo que roqueira, mas nunca admiti isso, até hoje haha);
  10. O meu primeiro “amor” foi o cantor Roberto Carlos (eu era loucamente apaixonada por ele hahahahahahaha);
  11. O meu primeiro beijo foi aos 8 anos (roubado) com um menino de nove (na verdade foi um selinho e eu fiquei amedrontada, não gosto daquele menino até hoje) hahaha;
  12. “Sobrevivi” dois fins de mundo (2000 e 2012):p ;
  13. Vivi 8 anos no século passado :D;
  14. Amava aquelas séries japonesas com robôs gigantes (tipo Jaspion);
  15.  Sou formada em Letras ;
  16. Moro em uma cidade com 4.000 habitantes;
  17. Gosto mais de paçoca que chocolate;
  18. Amo Literatura Brasileira e Infanto-juvenil ;
  19. Sonho em conhecer o Canadá (não me pergunte porquê, afinal eu odeio frio);
  20. Casei com meu primeiro namorado;
  21. Sei tocar violão;
  22. Tenho um filho de três anos;
  23. Escolhi o nome do meu filho, quando eu tinha apenas 9 anos;
  24. A primeira vez que viajei sem meus pais, foi para um show em uma outra cidade. Eu tinha 17 anos e o conselho tutelar me barrou na fila. (mas no final deu tudo certo hahah) ;
  25. Sempre fui muito otimista e sonhadora.

É dia de festa!

ca-carnaval-festa-aniversario-d-732x412
Today I’m a princess. (créditos – foto aqui!)

Ninguém perguntou, mas hoje é meu aniversário! 🙂 Preparando-se para os posts de aniversário em 5,4,3,2…1!

Faço vinte e cinco anos. É assustador como o tempo passa rápido, ainda não tinha me acostumado a ter quinze e agora já estou com quase trinta. Eu não tive uma vida muito louca, nem visitei muitos lugares, muito menos tive muitos amores. Mas não, em momento algum, acho que minha vida foi tão terrível assim. Dizem por aí que ninguém faz amizades tomando leite. Realmente, nunca fiz nenhum amigo tomando leite.  Mas fiz vários tomando suco de laranja e tubaína. Embora eu não tenha viajado muito, os lugares que conheci foram incríveis, já nadei em rios maravilhosos, já comi fruta do pé, já vi o sol nascendo e indo dormir. Admirei a lua em todas as suas formas. Já acordei com o canto dos passarinhos, com uma frestinha de luz que entrava em meu quarto. Já dancei até os pés doerem, já ri até a barriga doer, tomei banho de chuva, fiz amor com quem eu gostava… E amei, amei e amei muito! Amei intensamente! Amei meu amigos, amei as músicas que ouvia, os personagens que lia, as paisagens que fotografei, amei meus pais, meu filho e sim, eu gostei de alguns caras, mas amei só um deles (e continuo amando-o).

Tenho um pai e uma mãe maravilhosos, incentivadores e amorosos. E formei uma linda família, construí um lar e me sinto muito feliz com todas as coisas que conquistei neste tempo todo.

Eu poderia estar triste, porque estou ficando mais velha e já apareceu o primeiro fio de cabelo branco para lembrar isso (risos).   Mas o maior sentimento que tenho — em todos os meus aniversários —  é GRATIDÃO, sou grata por tudo que vivi, por todas as pessoas maravilhosas que cruzaram o meu caminho e todas aquelas sem caráter que me ensinaram o que não ser. Agradeço a todas as injustiças que fizeram e fazem contra mim, elas me ensinaram que quando estamos certos e de coração limpo, pouco importa o que inventam a nosso respeito. Agradeço a todas as pessoas que elevaram minha auto estima.  Agradeço por toda pedra e por cada flor no caminho. Cada experiência fez com que eu amadurece e, cada coisa boa ou ruim que aconteceu, me transformaram naquilo que me orgulho de ser hoje.

Hoje, tenho maturidade suficiente para compreender todas as coisas ruins que aconteceram em minha vida, e aprendi a sofrer menos por elas. Percebi que tenho muitos mais motivos para sorrir que para chorar. Minha vida tem trilha sonora, tem roteiro (uma verdadeira comédia romântica) e uma história linda que ainda pretendo continuar escrevendo por muito tempo.

Por fim, agradeço à Deus, por me fazer tão forte e ao mesmo tempo tão sensível. Por me dar o dom de ouvir e de saber o que falar. De ter me protegido de toda força do mal que se aproximou de mim . Agradeço por ter me salvado tantas vezes da maldade de “gente boa”. Por me dar saúde, coragem e, principalmente, perseverança.

 

Aquele sorriso

Ouça uma música bonitinha enquanto lê: clique aqui! ♥

sea-man-beach-holiday
aquicréditos

Ônibus, banco (na janela), dia chuvoso, música inspiradora e os meus fones de ouvido são o suficiente para viver a mais linda história de amor de todas.

Basta o ônibus partir para a aventura começar!

Começo te criando: alto, olhos cor de mel, cabelos escuros e um sorriso lindo daqueles que a gente se apaixona de cara e diz: “Este é o cara!”

A gente começa a conversar e as coisas simplesmente fluem, temos os mesmos gostos para tudo: música, filmes e você também gosta de desenhos animados.

Eu rio que nem boba, sonhando que talvez em algum lugar você exista de verdade e que um dia a gente se encontre na fila do cinema ou no show de uma banda legal. E tenho certeza que a gente iria se reconhecer. E um dia, talvez eu te conte que eu te desejei tanto, mas com tanta paixão que Deus me ouviu e fez cruzar o seu caminho com o meu. E você vai rir, achando uma bobagem o que estou falando e eu vou rir também, porque essa bobagem fez eu conhecer a pessoa mais linda que eu já conheci.

Enquanto estou sonhando a realidade atrapalha meu sonho:

— Ei moça, posso sentar aqui?

Eu apenas aceno com a cabeça em sinal afirmativo.

Engraçado, é que ele não tinha olhos cor de mel nem cabelos escuros, já o sorriso…