Pai, você não teve culpa

01 (46)

Lembro que uma vez quando eu me lasquei muito na vida (eu já me lasquei pra caramba, mas dessa vez foi o pódio das decepções) meu pai se sentiu culpado.
Ele que era super falante; calou.
Ele sentiu que não tinha cuidado direito de mim e , que por isso, a única menininha dele no meio de quatro irmãos tinha se decepcionado e estava sofrendo.
Pai, vou te contar um segredo: você não teve culpa de nada.
Sabe pai, eu sei que os pais não querem ver seus filhos derrubarem lágrimas. Sei também que a sociedade tem mania de jogar nas costas dos pais o insucesso dos filhos, mas não pai, você não teve culpa.
Mesmo você até hoje me chamando de princesa, eu cresci pai. E, só o fato de crescer já doeu. Doeu os ossos, doeu o peito. Doeu saber que eu estava crescendo e que logo nem você nem a mãe poderiam mais me proteger.
Doeu quando zombaram de mim na escola por eu ser sua filha e, por algum motivo idiota, as pessoas acharem que a sua mania de contar histórias, a sua falta de dinheiro e o seu jeitão simplão era motivo de chacota.
Doeu quando eu tinha oito anos e quase te perdemos.
Doeu quando desfizeram de você na minha frente.
Mas pai, o tempo voou mesmo. E eu cresci. E, nesse percurso eu enfrentei muitas coisas; algumas delas, sem você.
Quando a gente cresce a gente faz escolhas, você sabe que nem todas elas são bem feitas e a gente tem que pagar as consequências disso.
Muitas vezes eu chorei escondido e queria ter o meu melhor super herói do meu lado. Mas você não tava, pai. Outras vezes, eu escondi a tristeza de você para não te fazer sofrer.
Só que dessa vez eu não consegui.
Mas não. Não é sua culpa.
Não havia muita coisa que você pudesse fazer por mim. Há não ser ficar ao meu lado, que foi o que você e a mãe fizeram. Muito obrigada por isso.
Você sempre foi um meninão e a gente sempre brigou muito por isso. Mas eu admiro a sua capacidade de, apesar dos cabelos brancos, não envelhecer nunca.
Esse ano, nós dois realizamos um sonho: você me levou ao altar no dia do meu casamento.
E foi um momento que guardarei para sempre em meu coração. Foi especial.
Pai, obrigada por ser o melhor pai que uma menina pode ter. Um pai presente e brincalhão. Você e a mãe são as minhas inspirações do tipo de pessoa que eu quero ser. Amo você. Para sempre.

 

P.s.: Esse post era para ter saído no dia dos pais, mas já que hoje é aniversário do meu pai achei legal postar hoje

 

Anúncios

A alegria de não ser nada

large
aqui

É curioso estar em um dia ruim e sentir-se melhor ao ler textos que você mesmo escreveu.

Já me disseram que eu não era nada, já me chamaram de inútil, de fracassada…

Por um tempo, essas palavras me machucaram. Até o dia que compreendi que eu não era o que os outros diziam. Aliás, compreendi que o que eles pensavam de mim era totalmente irrelevante, e era inútil sentir-se mal por aquilo que a gente sabe que não é.

A sua vida pode ser horrível, você pode ter um emprego horrível , um relacionamento que acaba com as suas forças vitais e não ter nenhum amigo para confiar suas aflições. Mas você terá a sua presença, você sempre terá você.

Quando as coisas ficarem difíceis, coloque a sua música favorita para tocar e dance, chore, ria, faça o que tiver vontade, até sentir a dor ir embora.

E se chover no meio do caminho? Faz de conta que você é criança e pule nas poças de lama.

Quando a gente é criança uma limonada por mais azeda que esteja não consegue estragar o nosso dia. Diplomas? Status? O que é isso mesmo?

Criança vive o dia sem se preocupar com essas bobagens sociais.

Se um dia alguém lhe disser que você não é nada, agradeça. É melhor ser um nada para os outros mas amar aquilo que reflete no espelho. Do que ser “tudo” para os outros e odiar a sua própria imagem no final do dia.