Do lado de lá

pexels-photo-236287

Do outro lado da cidade tem alguém igual você.

Deitado no sofá com uma almofada fofinha, com a Netfllix ligada, mas com a mente distante, imaginando se o amor da vida dele tá em algum sofá acinzentado do outro lado da cidade.

Do outro lado do oceano, alguém acorda imaginando se ao cruzar a cidade encontrará alguém para mudar a sua vida.

Na banca da próxima esquina, tem alguém vendo a capa de uma revista sobre uma história de amor e se questionando se isso não é só coisa de filme.

Na fila da padaria tem um rapaz dos olhos castanhos que enquanto espera na fila imagina se ao cruzar a esquina vai se deparar com o amor da sua vida.

Pessoas vem o vão o dia inteiro até o olhar de uma cruzar com o da outra e nada mais ser como antes.

 

Anúncios

O amor não é comodismo. É escolha.

Elderly couple in wheelchairs, holding hands

Os dois olhavam , se entreolhavam.

Na rua , alguns jovens passavam e nem notavam a presença deles. Ver toda aquela juventude lá fora sedenta por amor, aventura e diversão fez com que recordassem, com nostalgia, os momentos que haviam vivido. Os dois se olham com uma cumplicidade…

Quando fizeram os votos de casamento provavelmente não imaginariam como terminariam os seus dias. Sonhavam em ter um cachorro, uma dúzia de filhos, uma casa bem grande e muito dinheiro.

Juntos construíram um lar. Conseguiram ter o cachorro, cinco filhos e uma casa não tão grande como imaginavam. O dinheiro? Conseguiram o suficiente para não passar fome.Os filhos cresceram e depois vieram os netos. Os cabelos brancos começaram a surgir um a um até tomar conta dos poucos fios de cabelo fino que restaram.

Começaram a sentir debilidade ao andar. Primeiro foi ele e depois de um tempo ela. Foram necessários os cuidados de outros para coisas que antes eles faziam com a maior facilidade do mundo.

A vida começou a ser vista por outra perspectiva.

Aprenderam a valorizar ainda mais a presença um do outro. Descobriram que a coisa mais valiosa que conquistaram com o passar dos anos foi o amor. Um amor que não foi nenhum final feliz de comédia romântica. Teve briga, choro, grito, raiva, mas teve amor, risada, mãos dadas…

Pensavam ser uma pena a maturidade vir tão tarde. Se soubessem metade do que sabem agora poderiam ser muito mais felizes no passado.

Aprenderam que o amor não é comodismo. É escolha. É aprender a relevar os defeitos e aproveitar o melhor das qualidades. Aquela coisa avassaladora que chamamos de amor é só o início. Depois que o êxtase acaba, a realidade te mostra quem é na verdade a pessoa que você escolheu viver.

O amor forma laços, e não dá pra mentir : as vezes ele aperta. Sim, aperta. E não é porque deixou de ser amor. É porque um dos lados puxou com força demais. E, com o tempo, a paciência e a experiência os dois lados vão aprendendo a não segurar com tanta força.

Hoje a vida passa, devagar e os dias parecem não ter fim, mas poder olhar um para o outro renova as forças.

Eles não sabem quanto a vida ainda vai durar mas sabem que estarão um lado do outro quando um deles fecharem os olhos.

E, enquanto esse dia não chega, ficam ali juntos em uma calçada virada para a rua, de mãos dadas, vendo os dias passando devagar e a vida fugazmente.

Não sei ser sexy

giphy

Sempre admirei as femme fatale dos filmes. Sempre quis ser uma delas. Uma mulher forte, linda,sedutora, independente e muito, muito má com os homens.

Uma maquiagem bem marcada. Uma bolsa pequena transbordando de mentiras. Um corpo escultural dentro de um vestidinho justo.

Mas conforme eu fui crescendo percebi o quanto as femme fatale se afastam totalmente da minha personalidade. De quem eu sou. E do que eu quero ser.

Eu não gosto de jogos do amor. Não gosto de mentir. E também não gosto de fingir ser alguém que não sou.

E, apesar da ideia de fazer joguinhos seja excitante, não combina em nada comigo.

Não gosto de ter que fingir que não me importo só para o cara me ligar no dia seguinte.

Nem acho que tenho que “pisar” em ninguém para ser valorizada.

Pode até parecer que sou boba. Mas simplesmente não consigo fingir ser aquilo que não sou. As pessoas dizem que minto mal e não é que elas tem razão?!

A verdade é que é um saco esses jogos de relacionamento, e eu gosto mesmo é de transparência. Eu gosto de saber todas as intenções das pessoas comigo e de transparecer aquilo que sinto. De dizer que o castanho do olho dele é lindo e eu podia ficar olhando para ele o dia inteiro; Que quando ele sorri parece que uma constelação iluminou o meu rosto. Que quando ele fala o meu coração parece que vai sair pela boca. E que quando ele abraça forte, eu sinto que ali é o lugar mais seguro do mundo.

Eu não sei quem foi o tolo que inventou que o amor precisa ser um tabuleiro e que as pessoas são as peças do jogo.

O amor não é um jogo. É um propósito.

É muito fácil ficar com joguinhos, ser desonesto com o outro, ficar “fazendo pose” o tempo inteiro e depois reclamar que o amor não existe e que você não nasceu para amar nem ser amado.

Jogar pode ser divertido no começo mas uma hora cansa. E uma coisa que podia ser muito legal acaba se tornando algo chato e repetitivo.

No dia que a gente para de teorizar o amor perfeito e passa a simplificá-lo, percebemos quanto tempo perdemos com joguinhos bobos que era só um atestado de egos.

Não, a gente não tem que fazer ninguém sofrer para que a pessoa nos valorize.

A pessoa vai valorizar mesmo o tempo que parece voar quando está com você. O pote de sorvete dividido, um filme ou série na Netflix e tantos outros clichês que fazem as pessoas invejarem um casal de apaixonados.

Se a pessoa não valorizar o bem que eu fiz para ela isso significa que ela não está preparada para o amor que eu tenho para oferecer. E se eu não consigo valorizar o amor que eu recebo é porque talvez eu ainda não esteja preparada emocionalmente para alguém tão especial.  Porque às vezes o amor está preparado pra gente mas a gente não está preparado pra ele e vice-versa.

Não precisa se machucar. Não precisa machucar. É só viver todas as experiências  que o amor tem a oferecer. E deixar o amor amadurecer… sem jogos e sem trapaças.

O café acabou

large

Tudo perdeu o sentido. A vida ficou monocromática. Esse é o outono mais frio da minha vida. O café acabou, as esperanças também .

Desenterrei aquele rádio antigo e os CDs, na prateleira, empoeirados. Procurei um CD que me animasse, não houve uma música capaz de reerguer o meu humor. Estava ouvindo uma música que nem lembro o nome, o cd riscou em uma parte que dizia : “parece que tem dias que até as músicas colaboram com a nosso estado de espírito”. Tá frio demais, eu não quero abrir a janela para deixar o frio entrar.

Dessa vez achei que seria diferente. Eu nunca canso de me decepcionar. Por acaso na minha testa está escrito: “Pelo amor de Deus, me engane!” Porque, se tiver quero tirar.

Embora eu deteste o frio, eu gosto do Outono. Pelo menos naqueles dias em que tudo parece meio alaranjado e o frio é ameno, em que não é necessário usar um monte de roupas, uma blusa fina de manga compridas já é suficiente. Mas esse Outono está com cara de inverno, eu tenho até medo da estação posterior.

Nesses dias frios, me lembro como é triste não ter uma companhia para me aquecer, embaixo do meu edredom azul, que tenho desde os nove anos de idade.

No verão não estava assim.

Naquele tempo eu tinha você. Naquele tempo a gente ocupava o mesmo lugar no mundo. Agora cada um ocupa a sua própria parte.

Talvez na primavera eu supere a falta que você me faz.

Porta – retratos

jmga

Podem me chamar de louca, mas uma das coisas que mais gosto de fazer é ir na casa das pessoas e observar os portas-retratos.

Posso perder horas ali. Observando e admirando cada detalhe.

Amo fotografia porque é uma forma de congelar um momento, para que toda vez que dê saudades a gente possa matar, revendo as fotografias.
Quando escolhemos uma foto pra pôr nos portas – retratos elas sempre são as mais especiais, de momentos que nos fazem ter orgulho ou que nos fazem lembrar de fatos ou pessoas importantes nas nossas vidas.
Os portas – retratos com fotos de família são os meus preferidos, é tão lindo de ver. Acho que é porque lembro da minha família e como, apesar de todas as dificuldades, éramos felizes.
Hoje eu construo a minha família e tento fazer com que meu filho tenha boas lembranças da família dele também.
Ter uma família unida é ter um porto seguro, um lugar para voltar todas as vezes que as coisas ficam complicadas para enfrentar sozinho . Sou grata, todos os dias, por ter a oportunidade de ter vivido em duas famílias tão especiais, sou muito sortuda mesmo !

É amor demais. Amor que nem cabe em porta-retrato (mas que a gente tenta colocar assim mesmo).

Nada vai ser igual

large
aqui

Já escrevi mil nomes na minha agenda mas nenhum deles combina tanto quanto o seu combinava do lado do meu.

Encarei uns 30 garotos hoje mas nenhum deles tinha o brilho que os seus olhos tinham ao olhar no meus.

Já perdi a conta de quantos sorrisos vi hoje mas nenhum deles fez com que eu ficasse com a cara de boba que eu ficava ao te ver sorrir.

Ouvi o barulho de umas cinquenta motociletas hoje, mas nenhuma delas fez o coração bater tão forte como aquele que eu sentia quando ouvia que era você que estava chegando.

Estou aqui tentando em vão achar alternativas, a ter esperanças de que eu ainda posso viver mil aventuras de amor que superem aquelas que tive com você.

Mas a cada dia me convenço que havia tanta singularidade no nosso relacionamento que vai ser difícil achar algo que supere, que seja melhor do que foi contigo.

E escrevo você em todos os meus textos porque tenho a esperança de que, se tornando um personagem de uma história fictícia, seja mais fácil apagar você da minha vida.

Já fiz você mocinho e vilão, já fiz bonito e feio, mas nada faz com que sua imagem saia da minha cabeça…

Na verdade eu sei que eu vou amar de novo. E sei que será bom. Mas sei também que nada nunca vai ser igual aquilo que era o “eu e você”.

 

Amores platônicos e impossíveis

large

Eu não sei explicar muito bem…

Bom, essa é a primeira carta que escrevo e … vixe, esqueci de colocar a data e a cidade. Não que esses tipos de carta precisem de muitas formalidades, mas eu pensei…

poxa, eu pensei… Caramba! Acho que não é correto escrever tudo que a gente pensa, né? Talvez se eu desenhasse um coração…

Acho que é cedo demais para te dizer que seu sorriso me hipnotiza e que sua voz me estremece, é cedo para falar “eu te amo”? É cedo para imaginar eu, você, dois filhos  um cachorro?

Ok, você nem me conhece. Mas eu te conheço e esse é o problema. Você está na minha lista de amores platônicos e provavelmente impossíveis.

Acabei de te ver e já descobri o seu nome: JHONY, muito bad boy esse seu nome, mas um motivo para eu me apaixonar.  Já procurei você no Facebook, mas não tive coragem de adicionar. Vi umas desqualificadas curtindo sua foto… Fiquei com raiva, mas aí lembrei que você não era meu mesmo.Desencanei.

Ai, será que você gostaria de receber uma carta de amor? E…

O que?

Meu Deus porque ele está vindo para cá? Ah!!!! O que eu falo? Ai, Senhor!!!

— Oi, meu nome é Jhonny. Faz dias que estou te observando e tentando de todas as formas me aproximar de você. Mas pensei que você me acharia um louco, afinal a gente só se tromba todos os dias nos corredores da empresa e nossos setores são outros. Mas hoje cansei só de te olhar de longe, e os caras me encorajaram a vir te chamar para  sair para tomar café comigo hoje? Só nós dois? E aí topa?

Eu só abri um sorriso desconcertado e respondi:

— É… sim… claro.

Ok, acho que alguém acabou de estrear a lista: amores platônicos e completamente possíveis.