O amor não é comodismo. É escolha.

Elderly couple in wheelchairs, holding hands

Os dois olhavam , se entreolhavam.

Na rua , alguns jovens passavam e nem notavam a presença deles. Ver toda aquela juventude lá fora sedenta por amor, aventura e diversão fez com que recordassem, com nostalgia, os momentos que haviam vivido. Os dois se olham com uma cumplicidade…

Quando fizeram os votos de casamento provavelmente não imaginariam como terminariam os seus dias. Sonhavam em ter um cachorro, uma dúzia de filhos, uma casa bem grande e muito dinheiro.

Juntos construíram um lar. Conseguiram ter o cachorro, cinco filhos e uma casa não tão grande como imaginavam. O dinheiro? Conseguiram o suficiente para não passar fome.Os filhos cresceram e depois vieram os netos. Os cabelos brancos começaram a surgir um a um até tomar conta dos poucos fios de cabelo fino que restaram.

Começaram a sentir debilidade ao andar. Primeiro foi ele e depois de um tempo ela. Foram necessários os cuidados de outros para coisas que antes eles faziam com a maior facilidade do mundo.

A vida começou a ser vista por outra perspectiva.

Aprenderam a valorizar ainda mais a presença um do outro. Descobriram que a coisa mais valiosa que conquistaram com o passar dos anos foi o amor. Um amor que não foi nenhum final feliz de comédia romântica. Teve briga, choro, grito, raiva, mas teve amor, risada, mãos dadas…

Pensavam ser uma pena a maturidade vir tão tarde. Se soubessem metade do que sabem agora poderiam ser muito mais felizes no passado.

Aprenderam que o amor não é comodismo. É escolha. É aprender a relevar os defeitos e aproveitar o melhor das qualidades. Aquela coisa avassaladora que chamamos de amor é só o início. Depois que o êxtase acaba, a realidade te mostra quem é na verdade a pessoa que você escolheu viver.

O amor forma laços, e não dá pra mentir : as vezes ele aperta. Sim, aperta. E não é porque deixou de ser amor. É porque um dos lados puxou com força demais. E, com o tempo, a paciência e a experiência os dois lados vão aprendendo a não segurar com tanta força.

Hoje a vida passa, devagar e os dias parecem não ter fim, mas poder olhar um para o outro renova as forças.

Eles não sabem quanto a vida ainda vai durar mas sabem que estarão um lado do outro quando um deles fecharem os olhos.

E, enquanto esse dia não chega, ficam ali juntos em uma calçada virada para a rua, de mãos dadas, vendo os dias passando devagar e a vida fugazmente.

Uma ruga a cada história

Estou cansada, mas a insônia me impede de dormir. Qualquer ruído me deixa mais atenta: um galo “desregulado” que canta antes da meia-noite; um bêbado que atravessa a rua falando bobagens; o barulho da T.v do vizinho e é claro, ele, o irritante tic-tac do despertador florido, que repousa no criado mudo.

As horas passam, até que eu perca totalmente a noção do tempo. O corpo praticamente implora pra sair da cama de espinhos em que me encontro. Tento lutar contra isso, em vão.A mente não para de trabalhar e por mais que eu me esforce não consigo adormecer. Decido levantar, mas antes checo as horas: 03:00, como sempre.

Vou até o banheiro , jogo água no rosto várias vezes e, por alguns instantes, fito a minha imagem no espelho.

Olho no olho é o suficiente para que meu baú de memórias se abra. Recordo meus 24 anos em pouco mais de dez minutos, uma retrospectiva dos melhores momentos. Depois dessa viagem interior, percebo-me ali, sozinha, na madrugada de um dia quente, na frente de um espelho tentando decifrar-me. Inspeciono cada canto de minha face e dos meus cabelos castanhos escuros, percebo um filho único: meu primeiro fio de cabelo branco. Me assusta a ideia de que estou envelhecendo e sorrio, pois acho engraçado  estar refletindo sobre isso agora, tão jovem.

Os primeiros sinais da idade não se limitam apenas ao bendito fio. Ao sorrir meus olhos já marcam onde ficarão as linhas de expressão. Meu corpo, definitivamente,  já não é mais o mesmo.

Sempre me considerei uma garota madura, agora percebo que o exterior está ficando parecido com o interior : velho.

Por um momento, penso no que isso significa…

Estou envelhecendo, como será olhar para o meu rosto daqui a 10,20,30 anos? Será que eu vou gostar do que está refletido? Ou vou procurar o endereço do Dr. Rey e implorar pra que ele me deixe mais jovem?

Mas por que ou para que estou pensando nisso agora? Deve ser o sono querendo, finalmente, aparecer. Um ataque filosofal na madrugada ninguém merece!

Eu sou apaixonada por gente velha! Sério, acho muito fofo aqueles rostinhos enrugados. Mas e quando for eu , será que vou achar fofo também? Reflito por um instante e,  sinceramente, acho que sim!

Eu acho que o nosso corpo é como um livro, no princípio são só folhas em branco, até que alguém, através de palavras, dá vida à elas. Vejo cada linha de expressão, como as letras desse livro, cada uma delas conta uma história.  Por isso quanto mais velha a pessoa mais rugas ela têm.

Uma vez vi a história de uma mulher que passou anos sem rir, para não ter rugas. Achei uma história triste. Quantas vezes ela  teve que conter “aquela” gargalhada, para evitar sinais de idade em sua pele? Claro, que não posso (nem devo) julgá-la por isso, pois foi uma escolha dela. Mas não deixo de achar triste. Eu acho que não conseguiria viver assim. Porque eu sou aquela garota do riso frouxo, que ri até para os postes da rua. Acho que vou ser uma velhinha bem enrugada (risos).

Eu sou a autora da minha própria história,  espero viver muito ainda e ter rugas será inevitável. Elas serão a certeza de que chorei, que cantei, que dancei, que sofri e que sorri, que vivi!

E quantas aventuras ainda terei pela frente? Espero que muitas! Mas agora preciso dormir para ter coragem de alcançar todas elas. No relógio marcam 05:00 , ótimo tenho uma hora pra dormir. Boa noite.