Meu maior ato de coragem

coragem
Se for dono da imagem, avise que darei os créditos 😉

Esse tema me fez refletir muito.

Porque embora eu admire pessoas corajosas eu nunca me achei uma.

Hoje eu penso que a força que uma palavra tem, depende do sentido que você dá à ela.

Dessa forma, uma palavra como coragem, por exemplo, não seria apenas aquilo que o dicionário diz dela, mas sim aquilo que você entende dessa palavra.

E, eu entendo que coragem é você ser dono de suas próprias escolhas, sem se importar com o que você achar disso e saber lidar com as consequências disso.

Pensando assim, tive vários atos de coragem:

  • Fui corajosa quando me neguei a experimentar drogas;
  • Fui corajosa quando fui atrás dos meus sonhos, mesmo as pessoas falando que não valeria à pena;
  • Fui corajosa ao perdoar pessoas que não mereciam nem que as olhasse nos olhos;
  • Fui corajosa por ter feito minhas próprias escolhas e fui muito feliz na maioria delas.

Espero a cada dia mais superar meus medos e ter força para realizar meus sonhos, no fim das contas, todos os nossos atos de coragem começam ao levantar da cama.

“Um passo à frente e você não está no mesmo lugar. ”

(Chico Science)

Estou bem atrasada, mas não poderia deixar de fazer esse post, com esse tema tão especial.  É o tema da blogagem coletiva de abril do Projeto Vai um Café. (O próximo post será da postagem deste mês, ok?

12191717_10207450342518984_5470877887559865017_n

Post de aniversário 3 em 1

zexoe

No sábado, dia 20, eu fiz aniversário. Completei 26 anos. Vinte e seis, meu Deus!

Os posts eram para ter saído no sábado, mas não deu tempo, então dois dias depois aqui estou eu ! \õ/

Ano passado fiz três posts de aniversário: um com um texto, outro com 25 episódios que aconteceram em meus 25 anos e outro com uma playlist. Esse ano vai ter um post só com tudo junto: fatos, texto e playlist. 🙂

26 fatos em 26 anos

  1. Tenho uma irmã 12 anos mais velha que eu e um irmão 1 ano e nove meses mais novo (minha mãe descobriu que estava grávida dele no dia do meu aniversário de 1 ano :p)
  2. Sempre tive dificuldade com as disciplinas de exatas, exceto física;
  3. Eu não tenho uma cor preferida;
  4. As pessoas costumam falar que eu sou muuuito alta, quando na verdade eu só tenho 1,71m de altura;
  5. Eu não tenho medo de envelhecer;
  6. Apesar disso, tenho medo de morrer (ok, sei que não dá para evitar e blábláblá, mas tenho medo, fazer o que…)
  7. Não sei contar piadas (não consigo memorizá-las)
  8. Adoro aprender coisas novas!
  9.  Adoro ensinar 😀
  10. Adoro ajudar as pessoas
  11. Sou péssima com trabalhos manuais (mas adoraria saber fazer uns artesanatos #humanasever :P)
  12. Sou enjoada para comer, não gosto de comidas muito diferentes (passaria fome no Japão)
  13. Não tomo Coca-cola
  14. Sou péssima em esportes;
  15. Sou destrambelhada;
  16. Amo cantar, sou uma péssima cantora;
  17. Amo lugares com água: rios, piscinas, etc…;
  18. Nunca alisei meu cabelo com progressivas, apesar de já ter alisado com a chapinha sempre gostei dos tonhonhoíns;
  19. Os meus sonhos costumam ser tão realistas que, às vezes, quando eu acordo fico confusa se aquilo foi real ou não :s
  20. Por falar em sonhos, já tive sonhos que se tornaram mesmo reais (sonhei antes de acontecer, bizarro eu sei);
  21. Amo miniaturas;
  22. Amo objetos antigos;
  23. Não me importo de usar roupas fora de moda;
  24. Amo maquiagem, mas no dia a dia gosto de estar sem maquiagem nenhuma :s
  25. Sou muito sensível;
  26. Sou persistente quando quero alguma coisa.

Sobre os 26 anos…

Eu queria escrever algo bonito, novo e diferente…

Mas acho que o post do ano passado continua definindo bem a pessoa que me tornei com todos esses anos.

Só acrescentaria que, esse ano, mais uma vez minha fé foi/está sendo posta em prova. Mas que dessa vez, estou conseguindo passar por isso um pouquinho mais tranquila.

Esse ano estou aprendendo a fortalecer a minha espiritualidade, a procurar manter meu equilíbrio emocional ( que ficou meio abalado esses tempos, o que prejudicou até a minha saúde).

Continuo me sentindo grata por ter chegado até aqui.

Como eu já cansei de dizer, sou sonhadora, mas estou aprendendo a manter meus pés mais no chão.

E, é isso. Que Deus abençoe essa minha nova idade. ♥

Playlist de aniversário {26 anos}

 

A chave de parar o tempo

2lbl0fk
*Se você for o dono dessa imagem, avise-me que darei os devidos créditos 😉

Essa noite eu tive um sonho estranho. O cenário era digno de filme. Eu estava deitada entre as flores de um jardim gigantesco.

Eu olhava para o céu. O dia estava bem ensolarado do jeito que eu gosto. Uma fresta de luz do sol, atravessava algumas nuvens que estavam no céu. Eu vestia o meu vestido florido de flores roxas, usava um colar com um pingente de “trevo de quatro folhas” e estava descalça. “Nossa, a quanto tempo eu não ficava descalça?” pensei eu. Passei os pés no chão e senti a terra entrando por entre os meus dedos e senti que arranquei alguma flor sem querer. O cheiro ali era maravilhoso: cheiro de terra, cheiro de flor, cheiro de vida.

Levanto e passando as mãos sobre os cabelos, sinto que algumas flores se enroscaram nos meus cachos. Sorrio. Eu me sentia bem ali e nem me importava muito com vaidades bobas. Fechei os olhos e respirei fundo. “Ar puro”que maravilha! Se realmente existe um paraíso, esse lugar chegava bem perto.

Fui me levantando devagar e fiquei parada por um tempo observando toda aquela cena. Era de uma beleza tão grande, que nem encontro palavras para descrevê-la.

Eu fiquei por um bom tempo ali sentada. Observando tudo ao redor.

Até que me parei pensando qual o motivo de eu estar ali. Provavelmente eu procurava uma evasão do mundo real. Um momento só meu. Um tempinho não fazendo nada, porém o nada significava muito.

Gosto de um tempinho, deitada no chão olhando para o céu, esses momentos me fazem refletir sobre alguns dilemas existenciais. O ruim de virar adulta é que esse tempo para não fazer nada é bem curto ou até mesmo inexistente. E vamos guardando tantas coisas dentro da gente e é difícil ficar sem tempo para explodir ou para pensar sobre as coisas com mais calma. Quando encontram tempo para o nada, os adultos geralmente substituem o céu azul (ou o estrelado) por um teto branco e sem graça. Tudo bem que não é a mesma coisa, mas ajuda assim mesmo.

Desde criança sempre fui muito curiosa. E sempre senti a necessidade de conhecer o mundo e de entender coisas que até então eram inexplicáveis. Por sorte, os adultos da minha família tinham paciência comigo e tentavam me ajudar a compreender melhor o lugar onde eu estava.

Criei muitas teorias, mas nenhuma concreta demais. Sou sonhadora e tenho costume de exagerar nas coisas. Desta forma, as minhas explicações eram bem fantasiosas (algumas ainda são).

Não sei porquê, mas senti que todos esses meus sentimentos e curiosidades me levaram até ali.

Eu levantei e fui caminhando com cuidado entre as flores. Vi uma pequena cabana, simples, feita de barro e coberta com palha. Cheguei bem pertinho da porta verde que tinha na frente da casa, joguei meu tronco levemente para frente e dei três batidinhas leves.

–Olá, tem alguém aí?

Pude ouvir passos lentos e arrastados se aproximando, dou espaço para que abram a porta.

Neste momento, vejo um homem de estatura bem baixa,  velho, encurvado e apoiado em um galho grosso de árvore que lhe servia como bengala. Ele tinha um cabelo branco e comprido e uma barba, também branca,  ia até a altura de seu peito.

Por um momento nos olhamos em silêncio. Antes que eu diga qualquer coisa ele, com sua voz frágil e rouca, diz:

— Olá, eu estava esperando por você. Entre!

Fiquei com um pouco de receio, confesso. Mas aquele homem me trazia tanta paz que acabei entrando sem questionar. Lá dentro ele começou a falar vários episódios da minha vida, coisas que só eu sabia. Se eu fiquei assustada? Muito!

— Como o senhor sabe disso?  — Falei com os olhos arregalados.

— Eu sei sobre bastante coisas , sabe? E você não é a primeira menina que chega aqui com tantas dúvidas.

Menina. Ah, como é difícil ouvir alguém me chamar assim…

Comecei a fazer um monte de perguntas e ele ouviu todas em silêncio. Eu perguntava, perguntava e nada. Ele continuou ali, estagnado. “Seria mais fácil conversar com uma estátua”- pensei.

Ele me olhou serenamente e sorriu, formando linhas profundas em volta dos olhos. E, calmamente, me respondeu  :

—  Não existem fórmulas. A maioria das que você já ouviu estão erradas. Aquelas que você inventou, para si e para os outros, estão erradas. Existem muitos mistérios que permeiam nossa existência. E alguns mistérios estão acima do que nos é permitido conhecer. Outras respostas que você tanto procura estão mais próximas do que imagina. Não há jeito certo ou errado de viver. Quer saber a chave de parar o tempo? Está dentro do seu coração.

*Musiquinha para ouvir depois de ler o texto: Clique aqui 🙂


P.s.: Esse texto está há um bom tempo guardado nos rascunhos e minha inspiração veio de um projeto que o meu amigo Lucas (Palhão) desenvolveu em seu blog, as “quartas-feiras criativas”. Que foi um projeto muito bacana e que eu adorei participar. Na época, não consegui desenvolver a história, mas ela ficou guardadinha, esperando o momento certo, em que eu tivesse segurança de postar. 🙂

♥ Me encontre nas outras redes sociais:

TumblrFlickrInstagram ♥ Snapchat:dreamer_joyTwitterFacebook

 

 

Mãetamorfose

2cea68da4c0361470cc82177cbe9be8e
Imagem de Evita Works

A mulher é como uma lagarta, que até tem uma vida legalzinha, mas que sabe que pode ser muito mais. Até que um dia ela engravida. E é aí que a mágica começa.  O nosso casulo é nossa barriguinha. E dentro dele a cada dia cresce um outro ser. Nem sempre é confortável ou agradável, é uma mistura de sentimentos bons e ruins. Mas a partir do momento que você entende que depois do casulo virá uma nova vida, as coisas tornam-se um pouquinho mais simples.

Quando vamos nos tornar mãe passamos por uma espécie de cursinho preparatório. Em nove meses nos preparamos para a chegada do nosso filho. Nove meses para entender que a sua vida mudará para sempre, muitos “mais”são acrescentados a nossa história: mais responsabilidades, mais preocupações e alguns menos também menos tempo livre, menos tempo no banho… Mas mesmo assim, o amor transborda!

E depois de toda essa metamorfose a mãe vira uma linda e experiente borboleta. De todas as metamorfoses que uma mulher passa na vida a mais grandiosa delas é quando se torna mãe.

“Mãe, uma palavra tão pequena com um significado tão grande.” ❤

As várias versões de mim

943443_458987114176426_1330041384_n
Fotinha antiga xD

Gosto muito da ciração de Lewis Caroll, no livro “Alice no país das maravilhas” que diz:

“(…) eu sei quem eu era quando acordei hoje de manhã, mas já mudei uma porção de vezes desde que isso aconteceu.”

Acredito que todos nós temos muitas versões durante a vida.

Acredito também que uma versão não exclui a outra. Somos um misto de cada uma delas. Algumas características das outras versões vão nos acompanhando em cada fase da vida.

Eu já tive a versão menina. Tímida e sonhadora, foi daí que surgiu a minha versão escritora, afinal eu tinha que achar uma forma de me expressar de algum jeito.  Foi uma versão bem confusa, eu era vítima de bullying na escola, tinha problemas familiares em casa, tinha uma baixa auto estima. Nessa versão aprendi a chorar escondida, para não ferir ninguém; a esconder a fraqueza, a fingir que estava tudo bem. Eu não fui só infeliz nessa idade, eu fui uma criança criativa, que inventava brincadeiras, que na falta de amigos reais inventou amigos imaginários. Apesar de tudo, eu fui feliz e eu tinha plena consciência disso, pois mesmo com todos os “poréns” da minha vida, tinha pais maravilhosos que faziam o possível para me deixar bem. Essa versão me amadureceu um pouquinho antes da hora.

Na versão adolescente, aprendi a me defender (e a defender os outros também). Consegui enfrentar vários medos, melhorei minha auto estima, descobri o amor. Essa fase foi muito especial e, apesar de todos aqueles dramas adolescentes também fui feliz. E consegui sobreviver a esse período tenso de tantas emoções ao mesmo tempo.

Na versão adulta,  saí de casa, casei, engravidei, descobri que a vida não era mesmo cor de rosa como eu imaginava. Conheci pessoas cruéis que quase destruíram a esperança que tinha dentro de mim, que apagaram por um tempo a minha luz interior e o meu sorriso. Em contraponto, conheci pessoas amáveis, generosas, gentis e que fizeram com que, aos poucos, eu  recuperasse a minha força interior.

A minha versão atual (que é adulta, quase trinta), é, por enquanto, a minha preferida. É uma versão menina, uma versão maternal que também me faz experimentar um pouco do mundo dos meninos, uma versão mulher, adolescente. Hoje me libertei de uma série de preconceitos que tinha, aprendi a ser mais tolerante e espirituosa. Aprendi a me amar, com todas as cicatrizes, decepções…

Aprendi que tenho uma força dentro de mim, capaz de acabar com qualquer problema que possa surgir do lado de fora. Sou ainda mais esperançosa, ainda mais sonhadora e, jurei para mim mesma, que não deixarei ninguém tirar isso de mim.   A opinião dos outros a cada dia me preocupa menos. Valorizo os pequenos momentos e as pequenas coisas. Sinto-me bem. Completa, plena e muito feliz.

Cada pedacinho de mim é uma versão que já ficou para trás misturada com aquela que vivo no momento. É um constante aprendizado…

Sei que várias outras fases surgirão e que outras versões de mim virão à tona. Mas uma das coisas que aprendi é que o amanhã ainda não existe, o passado já foi e o presente tá aí para ser desembrulhado, aproveitado e vivido! Então não importa muito qual será a próxima versão, o que importa é sempre tentar dar o melhor de mim em cada uma delas.

Para finalizar mais uma citação, agora da Clarice Lispector:

Ela é assim um mix de tudo que se possa imaginar dentro de uma grande capacidade de apenas não ser nada em definitivo. Ela é aquilo que não consegue se encaixar em moldes pré-existentes, parece que ninguém nunca foi antes dela. Ela se incomoda com isso, às vezes, muito. Ela é cheia de sentimentos, parece que suas experiências se manifestam é no dorso do seu colo, e quase sempre, de vez em quando, tudo isso pesa. Mas não tem modo, não existe maneira que a faça ser diferente. E ainda, graças a Deus, ela é diferente.”

P.S.: Post atrasadinho só para variar! HAAHAH Tema do mês de março. ♥

12191717_10207450342518984_5470877887559865017_n

 

Primeiro dia de aula

IMG_5913.JPG

Eu sou uma pessoa ansiosa, ponto.

E as “primeiras vezes” sempre me deixaram angustiadas. A primeira vez na escola, o primeiro beijo, a primeira vez sem meus pais…

Agora, imagine como eu reajo com as primeiras vezes do meu filho.

De certa forma, cada vez que o Gabriel é capaz de fazer algo sozinho, é um atestado de que estou perdendo aos poucos ele para o mundo. E qual o problema nisso? Nenhum. A não ser aquela preocupação de mãe que sempre quer proteger o seu filho de tudo e que acha que o melhor lugar para ele é ao meu lado. E alguém duvida disso?

Quando o Gabriel foi pela primeira vez para a escola, ano passado. Eu quase não conseguia dormir. Como seria a adaptação, iriam judiar dele, ele iria comer bem? Ele iria chorar?

A minha visão de primeiro dia de aula era bem clara: as crianças agarrando nas pernas dos pais, aos prantos, enquanto as professoras arrancavam-lhes sem piedade nenhuma e os jogavam para dentro das salas. Eu imaginava um caos. Um coro choroso de crianças de várias idades.

O que eu vi, na verdade, foi um monte de crianças tranquilas — claro que algumas choravam– mas um monte de mães chorando desesperadamente ao soltar das mãos dos filhos e entregá-las para as professoras.

Eu fui forte. Abracei, beijei e me despedi, sem derramar uma lágrima.

A garganta parecia ter uns três nós gigantes. Até eu chegar ao portão e desabar. Chorei. Doeu o peito, doeu a garganta e o coração. Que tipo de mãe eu era? Uma megera que abandona o filho na escola. Péssima. Fria. Pior tipo de mãe. Eu não queria ser minha filha.

Sem dúvidas, aquela foi a manhã mais comprida da minha vida. O relógio, de pirraça, parecia que tinha empacado nas nove horas. Onze e meia parecia nunca chegar. Finalmente pude buscar meu filho e tirá-lo daquele lugar horrível. O coração saia pela boca, enquanto eu estava a caminho.

Quando cheguei lá, ele estava sentadinho, com a carinha de paisagem de sempre. Dei um abraço forte nele, finalmente juntos novamente.

E eu perguntei:

— Como foi hoje?

E ele com a maior carinha de pau me responde:

— Normal, mãe!

Como assim N-O-R-M-A-L? Que vocabulário era esse? O que fizeram com o meu bebê? Deixei um bebê na escola e voltei com um adolescente? Que tipo de criança volta da escola pela primeira vez e diz que achou normal?

Cordão umbilical cortado com sucesso. E, acreditem, doeu mais em mim do que nele.

Hoje teve início mais um ano letivo. Eu achei que por ser a segunda vez eu sofreria menos. Mas, cheguei a conclusão que jamé irei me acostumar, acho que vou chorar até quando ele for pra faculdade.

É difícil perceber que meu bebê ( que já não é mais bebê) está crescendo. E a cada dia precisa menos de mim. Aos poucos ele sai do ninho e vai conquistando seu lugar no mundo. Enquanto isso, eu fico aqui, aos prantos, triste por ele estar crescendo e feliz por perceber que a cada dia ele conquista um pouquinho do seu lugar no mundo.

Por que eu escrevo?

tumblr_lb99zuw8dy1qaze7ro1_500_large
Google Imagens

Eu escrevo porque dentro de mim há um mundo de palavras, brigando para sair. Escrevo porque adoro a possibilidade de poder brincar com os sons, os cheiros, as cores…

O meu céu eu posso colorir de como eu quiser e posso fazer com que os outros vejam essa minha versão de céu.

Escrevo para sobreviver aos ataques, as tristezas e tudo que me faça  desequilibrar e pensar em desistir.

Escrevo para transmitir um pouco de amor nesse mundo tão cheio de desamor…

Escrevo porque gosto desse meu mundo inventado, onde quem escolhe o final sou eu.

Gosto do poder que a escrita tem de me transportar para lugares onde eu nunca estive, para tempos onde eu nem existia…

Gosto de me vestir de uma das minhas personagens, de me apaixonar e decepcionar várias vezes. De ser a mocinha e ao mesmo tempo a vilã. De poder vivenciar mil histórias de amor…

Escrevo para tentar achar as respostas das perguntas que eu nunca irei entender.

Escrevo ainda que ninguém leia. Ainda que ninguém se importe.  Escrevo para me sentir viva… As palavras são o meu melhor kit de sobrevivência.

12191717_10207450342518984_5470877887559865017_n